Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Os negócios fitness têm passado por uma grande transformação nos últimos anos. A mudança no comportamento das pessoas levam as inteligências por trás dos negócios a buscarem novas formas de engajar e envolver o público.

Não é incomum, por exemplo, soluções fitness apostarem na gamificação para atrair novos usuários e clientes. Isso é reflexo de uma geração mais nova com pouco interesse na saúde corporal, mas inquieta por experiências positivas e inovadoras. Em contrapartida, pessoas mais maduras buscam a saúde e um corpo que revele essas mudanças em suas rotinas. 

No entanto, a vida agitada por levá-las a não ter tempo para dedicar à prática de atividades físicas. Por isso, utilizar a tecnologia como forma de incentivá-las também parece uma boa ideia.

Recursos muito presentes nesse sentido são: inteligência artificial, internet das coisas e realidade aumentada. Articular esses elementos para negócios fitness é muito mais fácil hoje em dia, sobretudo com o grande volume de usuários de smartphones.

Neste texto vamos explorar a relação profunda existente entre a tecnologia e os negócios fitness.

Em primeiro lugar, investigaremos de que forma a tecnologia é uma aliada do mundo fitness. Em seguida, conheceremos algumas tecnologias disponíveis e tendências para os próximos anos (como é o caso da moda fitness do Metaverso, mas isso é assunto de outro post). Boa leitura!

Como a tecnologia é uma aliada dos negócios fitness?

O pano de fundo para todo negócio deve ser o comportamento do consumidor. A integração entre tecnologia e negócios fitness não é diferente, e explicaremos o porquê:

Pessoas que praticam atividade física o fazem a partir de motivações. Somente quando há motivação suficiente é que as pessoas conseguem sair da zona de conforto e embarcarem em um hábito.

Essa motivação pode ser intrínseca, ou seja, partir diretamente da pessoa. É o caso, por exemplo, de quando alguém olha no espelho e não está contente com o resultado que vê, ou simplesmente quando a pessoa sente prazer na prática de atividade física.

Mas a motivação também pode ser extrínseca, ou seja, partir de fora e corroborando aquela motivação interior já presente. A tecnologia entra nessa segunda categoria de motivação.

Lembra que falamos do comportamento do consumidor?

Aqui está um exemplo perfeito. Se as pessoas consumidoras dos negócios fitness precisam de motivação extrínseca, as marcas devem fornecê-la através da tecnologia, de modo a aumentar o consumo de produtos esportivos e gerar valor.

Tecnologias disponíveis

Um pensamento antigo associava o aumento da tecnologia com o crescimento do sedentarismo.

Até pode haver algum tipo de relação nisso, mas a prática também mostra que a tecnologia pode ser uma aliada nos exercícios e, por consequência, dos negócios fitness.

É o que acontece, por exemplo, através dos aplicativos de treino, que ajudam pessoas a praticarem atividades físicas em horários e contextos onde uma academia talvez não conseguiria chegar.

Esses aplicativos reúnem funções como integração com GPS e até um certo nível de inteligência artificial, onde os treinos são gerados automaticamente pela máquina, personalizadamente para o cliente.

Pulseiras e relógios também são um destaque, já que monitoram não apenas todas as informações da atividade (como distância percorrida e velocidade), mas também alguns dados essenciais para a saúde, como pressão e batimentos cardíacos.

Mas há, ainda, videogames que potencializam os exercícios físicos, sobretudo para crianças e idosos. Por meio desses equipamentos, que também integram a realidade virtual, as pessoas podem se movimentar sem sair do ambiente de casa ou da academia.

Negócios fitness e tendências para os próximos anos

As tendências da tecnologia para o mundo fitness não visam substituir academias ou a prática real de atividade física. Na verdade, os recursos tecnológicos são evidentemente um complemento às práticas citadas anteriormente.

O que acontece, no entanto, é que muitos dos equipamentos e das atividades que já conhecemos, serão substituídos por versões mais divertidas e tecnológicas. É o caso das bicicletas de academia.

Realidade virtual

Ao invés de praticar atividade de forma bem pouco dinâmica, como ocorre hoje, a tecnologia permite que o cliente entre em um universo de realidade virtual e corra pelas ruas das principais cidades do mundo.

Interação social

A interação social em ambientes de realidade virtual também pode aparecer com força. É o que o Facebook está buscando no Metaverso. Já pensou treinar ao lado de pessoas do mundo todo, mesmo cada um estando em seu país de origem?

Realidade aumentada

A realidade aumentada também deve aparecer com força nos próximos anos, sobretudo através de óculos que registram imagens dos treinos (corridas, crossfit, Pilates, bicicleta, etc.) e exibem informações em tempo real sobre a velocidade e performance individual.

Gamificação

Gamificação já é um assunto forte hoje, mas no futuro deve se intensificar ainda mais. Isso porque o formato de jogos será utilizado como forma de incentivar o comportamento fitness das pessoas (lembra da motivação extrínseca, do início do texto?).

Internet das coisas

Por fim, a internet das coisas aparece no horizonte como uma grande força para os negócios fitness. Ela estará presente, por exemplo, em equipamentos que permitirão monitoramento cada vez mais aprofundado das atividades.

Conclusão

Neste artigo, vimos que a tecnologia é uma importante aliada nos negócios fitness, sobretudo porque é um instrumento poderoso para possibilitar motivação extrínseca às pessoas. Evidentemente, isso aumenta o consumo de produtos fitness.

Além disso, conhecemos as principais tendências para os próximos anos. Vale a pena recordá-las:

  • Realidade virtual;
  • Interação social;
  • Realidade aumentada;
  • Gamificação;
  • Internet das coisas.

Que tal conhecer outras tendências que podem ser aproveitadas por seu negócio fitness? Acesse este infográfico completo com informações riquíssimas sobre o comportamento do consumidor fitness pós-pandemia.