Share, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Posted in:

Terceira Idade: Conheça os Benefícios do Treinamento de Força nessa Fase

terceira-idade-capa

O ato de envelhecer com saúde é uma aspiração de boa parte da terceira idade mundial. No entanto, o processo de perda das habilidades físicas pode ser doloroso e capcioso quando não se toma algumas providências que atenuam e previnem os sintomas das patologias oportunistas na terceira idade.

Sendo assim, preparei este texto para que você como profissional de Educação física possa entender como funciona o processo da chegada à terceira idade e como o treinamento de força pode ajudar neste período. Confira abaixo!

O Processo de Envelhecimento

terceira-idade-1

O processo de envelhecimento é constante em todos os seus aspectos, tendo maior ênfase nos quesitos fisiológicos. Para fazer com que esse andamento seja retardado aconselha-se ao indivíduo seguir uma vida ativa e saudável.
Além disso, para fortalecer a colocação acima, citamos o ciclo da chegada à terceira idade, que nada mais é do que um esquema do enfraquecimento humano.

terceira-idade

Atualmente, chegar à velhice não é mais um privilégio dos países desenvolvidos. Segundo o IBGE, em 1960, a expectativa de vida, que no Brasil era de 54,69 anos e nos Estados Unidos era de 69,77 anos – diferença de 15 anos – passou a ser em 2012 de 73,62 anos e 78,74 anos, respectivamente – diferença de apenas cinco anos e no ano de 2014, continuou subindo para 75,20 anos no Brasil.

Nesse mesmo período o número de idosos no Brasil passou de três milhões, em 1960, para sete milhões, em 1975, e 20 milhões, em 2008 – um aumento de quase 700% em menos de 50 anos.

Sendo assim, como há uma população cada vez maior da terceira idade no Brasil e no mundo, existe uma demanda crescente deste setor para que algumas estratégias preventivas sejam tomadas para aumentar – e melhorar – ainda mais a qualidade de vida destas pessoas.

Atividades Físicas na Terceira Idade

terceira-idade-2

A atividade física bem assistida é necessária para manter os níveis de gordura corporal e força muscular, resguardando a integridade do corpo idoso, auxiliando também nas atividades comuns e diárias como amarrar o sapato, levantar da cama, tomar banho e se alimentar sozinho, por exemplo.

Desta forma, o programa de treinamento precisa ser precedido de uma boa avaliação de composição corporal que vai auxiliar no direcionamento de programas de emagrecimento e/ou manutenção da massa corporal.

Realizando o Treinamento de Força na Terceira Idade

terceira-idade-3

Já existem no meio acadêmico muitos artigos discursando sobre as vantagens do treinamento de força (TF) e treinamento funcional (Tfunc) na senescência, fazendo uma análise dos referidos textos, chegou-se à conclusão de que o principal dano para o idoso é acometido no sistema neuromotor, isso pois a perda neuromotora vem associada a uma diminuição de fibras musculares, por isso, a importância do treinamento para compensar a perda.

Em um estudo na Universidade de São Paulo, foi verificado que um grupo de idosos sedentários, confrontado com um grupo controle, que o exercício físico teve como consequência uma melhora na função cognitiva e física.

O pesquisador concluiu que os praticantes relataram um maior sentimento de bem-estar em relação aos não praticantes. Todavia, é importante salientar que exercício físico e atividade física são bastante diferentes desde o seu significado até a sua execução, atividade física são as práticas diárias (caminhada, lavar roupa, secar a louça) e exercício físico se caracteriza por procedimentos físicos periodizados e frequentes.

Vantagens do TF e TFun na Terceira Idade

terceira-idade-4

Na verificação da literatura, foram identificadas sete esferas relacionadas ás vantagens do TF e do Tfunc na terceira idade, sendo elas o aumento nos níveis de força em todas as suas manifestações, além do aumento da massa muscular, melhora da flexibilidade, melhora da capacidade aeróbica, melhora das atividades funcionais e melhora da densidade mineral óssea.

Tendo como grande característica do treinamento funcional, o trabalho de executar periodicamente as tarefas diárias com alguns obstáculos e instabilidades para poder melhorar a consciência e aumentar o índice de atividade diárias do idoso.

Desde já, pode-se identificar as inúmeras vantagens do treinamento funcional para melhorar os vários fatores do idoso.

A Importância do Profissional de Educação Física

terceira-idade-5

Para realizar o TF e o TFunc na terceira idade, é importante a presença de um profissional de Educação física para que o mesmo possa auxiliar os melhores exercícios sem prejudicar a saúde do indivíduo.

Realizar uma avaliação física será de grande valia para que você possa identificar possíveis problemas como locomoção e assim planejar exercícios que irão auxiliar para esta melhora.

Sendo assim, o profissional de educação física é de grande importância para que esses exercícios na terceira idade possam realmente ajudar o indivíduo nessa fase.

Conclusão

terceira-idade-6

A terceira idade é um período da vida no qual o corpo do ser humano torna-se mais frágil. Por isso, é importante que ele esteja sempre ativo praticando exercícios que irão lhe auxiliar para uma vida mais saudável.

O TF e o TFunc são excelentes tipos de treinamentos para auxiliar no ganho de força e resistência dos idosos. Porém para que esses exercícios sejam realizados com sucesso, e muito importante a presença de um profissional competente que auxilie durante esses movimentos.

Finalizo esse artigo deixando para a reflexão dos nossos estudantes de educação física brasileiros, se um nicho precisa de intervenção especializada e existem poucos profissionais nessa área, o que está faltando para você começar a estudar todas as fases finais do corpo humano?  Assim como estudar as várias maneiras de intervenção para melhorar as atividades físicas diárias.

REFERÊNCIAS

  • AGUIAR, Pedro de Paula Leite et al. Avaliação da influência do treinamento resistido de força em idosos. Kairós Gerontologia. Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Saúde. ISSN 2176-901X, v. 17, n. 3, p. 201-217,
  • AIKAWA, Adriana Correia; BRACCIALLI, Ligia Maria Presumido; PADULA, Rosimeire Simprini. Efeitos das alterações posturais e de equilíbrio estático nas quedas de idosos institucionalizados. Revista de Ciências Médicas, v. 15, n. 3,
  • ARRUDA, Maurício Ferraz de. Ganho de força e função em idosos por treino isométrico com e sem resposta visual. Rev Bras Med Esporte. 2014, Vol.20, n.4, 309-314.
  • BARBOSA, Bruno Rossi et al. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Centro, v. 39, p. 002,
  • DE CARVALHO, José Alberto Magno; RODRÍGUEZ-WONG, Laura L. A transição da estrutura etária da população brasileira na primeira metade do século XXI. The changing age distribution of the Brazilian population in the first half of the 21st century. saúde pública, v. 24, n. 3, p. 597-605, 2008.
  • DOS SANTOS, Gilberto Monteiro et al. Programa de treinamento físico resistido ondulatório aumenta a força máxima de idosos diabéticos tipo 2. Einstein (16794508), v. 12, n. 4, 2014.
  • FATOUROS, I. G. et al. Strength training and detraining effects on muscular strength, anaerobic power, and mobility of inactive older men are intensity dependent. British journal of sports medicine, v. 39, n. 10, p. 776- 780, 2005.
  • FERREIRA, Denise Cristina de Oliveira and YOSHITOME, Aparecida Yoshie. Prevalência e  caraterísticas  das  quedas   de   idosos institucionalizados. bras. enferm. [online]. 2010, vol.63, n.6, pp.991-997. ISSN 0034-7167.
  • GONCALVES, Lúcia Hisako Takase et al.O idoso institucionalizado: avaliação da  capacidade  funcional  e  aptidão  física.   Saúde  Pública [online]. 2010, vol. 26, n. 9, pp.1738-1746. ISSN 1678-4464.
  • HALLAL, Camilla Zamfolini et al. Variabilidade eletromiográfica dos músculos dos membros inferiores de idosas ativas durante marcha com dupla tarefa antes e após treinamento de equilíbrio  com  haste  vibratória. ASSOCIATION POSTUROLOGIE INTERNATIONALE, v. 11, n. 52, p. 241,
  • HENWOOD, Tim R.; TAAFFE, Dennis R. Improved physical performance in older adults undertaking a short-term programme of high-velocity resistance training. Gerontology, v. 51, n. 2, p. 108-115,
  • Retroprojeção da população do Brasil por sexo e idade: 2000-1980. Disponível em <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98635.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2016.
  • KALAPOTHARAKOS, Vasilios I. et al. Effects of a heavy and a moderate resistance training on functional performance in older adults. The Journal of Strength & Conditioning Research, v. 19, n. 3, p. 652-657,
  • MORGAN D L, Allen D G. Early events in stretch-induced muscle damage. Journal of       Applied       Physiology Published        1        December   1999, Vol. 87, n. 6, 2016-2019.
  • NASCIMENTO, Rosiane Jesus do et al. Aptidão cardiorrespiratória em idosas participantes de um centro de convivência na Cidade de Coari, Estado do Amazonas, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 2, n. 2, p. 19-26, 2011.
  • NELSON, Miriam E. et al. Effects of high-intensity strength training on multiple risk factors for osteoporotic fractures: a randomized controlled trial. Jama, v. 272, n. 24, p. 1909-1914,
  • NOBREGA, Antonio Claudio Lucas da et al. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde no idoso. Rev Bras Med Esporte [online]. 1999, vol.5, n.6, pp.207-211. ISSN 1517-8692.
  • Manual de instruções: Balança de Controle Corporal. Muko: Omron Healthcare, 2014.
  • PAIXÃO JR, Carlos Montes; REICHENHEIM, Michael E. Uma revisão sobre instrumentos de avaliação do estado funcional do idoso. Cadernos de Saúde Pública, v. 21, n. 1, p. 7-19, 2005.
  • TAAFFE, D. R. et al. Comparative effects of highand lowintensity resistance training on thigh muscle strength, fiber area, and tissue composition in elderly women. Clinical Physiology, v. 16, n. 4, p. 381-392, 1996.
  • TIGGEMANN, Carlos Leandro et al.Envelhecimento e treinamento de potência: aspectos  neuromusculares  e  funcionais.    educ.   fis.  UEM [online]. 2013, vol.24, n.2, pp.295-304. ISSN 1983-3083.
  • TOMMASO, A. B. G. et al. Geriatria: Guia Prático. 1. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
  • VERAS, Renato. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 43, p. 549-554, 2009.
  • VIEIRA, Luiz Giovane Umpierre; QUEIROZ, Andréia Cristiane Carrenho. Análise metodológica do treinamento de força como estratégia de controle da pressão arterial em idosos: uma revisão. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 16, n. 4, p. 845-854,
  • VINCENT, Kevin R. et al. Resistance exercise and physical performance in adults aged 60 to 83. Journal of the American Geriatrics Society, v. 50, n. 6, p. 1100-1107, 2002.

Written by Bruno Basílio

Bruno Basílio

Bacharelado em Educação Física
Pós-graduado em Saúde do Idoso
Mestrando em Gerontologia
Chefe do grupo de pesquisa em Exercício Físico no envelhecimento e nas patologias osteo-mio-articulares.
Diretor da BB Cursos & Consultoria
Ministrou mais de 40 cursos na área de educação física por todo o país e nos maiores congressos da área.

1 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *