Share, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Posted in:

A Crise na Educação Física: Desvalorização e Consequências

crise

A faculdade nos traz muitos ensinamentos e lições. Aprendemos a dar aulas de diversas modalidades esportivas, de ginástica, a preparar treinos e muitas outras disciplinas. Mas não seria possível ensinar tudo durante uma graduação, ainda que ela dure 10 anos.

E é esta falta de ensinamento agrave numa crise na Educação Física. Quando falamos em crise, queremos dizer que muitas vezes faltam profissionais que tem o prazer de ensinar e passar o ensinamento para seus alunos, causando uma desvalorização.

O que realmente não aprendemos é que existem outros caminhos da profissão que exigem outras disciplinas com outros conteúdos de extrema relevância para o sucesso profissional que refletirá no pessoal também.

Mas não culpe a sua profissão porque há uma crise na educação física. Na maioria dos cursos universitários existe uma lacuna. Aliás, dificilmente é ensinado em lugar algum e quem aprendeu foi na tentativa e erro na maioria dos casos. No Brasil, ainda estamos vivendo numa cultura em que a vida profissional se resume a: fazer faculdade, arrumar um bom emprego e segurar ele até se aposentar – fim da sua história profissional.

Isso se reflete no ensino ofertado pelas faculdades que visam a formação técnica. Isto é, nós somos formados apenas executar um determinado serviço diretamente como dar aula, por exemplo.

Crise na Educação Física - Gráfico Atual

O que não nos foi ensinado está diretamente ligado a ser bem-sucedido na profissão: como ser um empreendedor, conquistar e fidelizar clientes, desenvolver o seu talento único e se destacar na multidão de profissionais que entram no mercado a cada semestre.

Eu vejo muitos Profissionais de Educação Física que passaram anos estudando e tratam o assunto com uma simplicidade tão grande que ele poderia ensinar sobre a área que trabalha para qualquer pessoa do mundo. Porém, há aqueles que falam de forma tão complexa e técnica que parece que eles esperam que os clientes saibam tudo sobre Educação Física. Mas isso não acontece.

O ambiente acadêmico e a convivência com muitos outros profissionais da área fazem com que nós falemos cada vez mais um vocabulário próprio. Mas isso não significa que o seu cliente saiba sobre o que você está falando. E tão pouco significa que ele entenda o motivo da sua escolha, considerada a mais adequada para ele naquele momento.

A crise na Educação Física se torna mais eminente quando um profissional passa a informação errada quando não sabe responder. Não sabe? Então procura e responda ao seu cliente com clareza e objetividade para ele. O papel do Profissional da Educação Física é educar seu cliente e mostrar-lhe o porquê que seu trabalho é necessário.

Porém, isso vai desde coisas óbvias e simples até temas mais complexos e técnicos. Você, sabendo que seu cliente não entende tudo sobre Educação Física – quando na verdade ele não entende nada –, deve trabalhar para que ele aprenda e entenda o que está falando. Isto será muito importante para conquistar mais recomendações e consequentemente mais clientes.

Quanto mais simples e mais didático você for com o seu cliente, mais tentado ele ficará em te contratar pois haverá uma relação de confiança em que ele não se sentirá sendo enganado.

O Profissional de Educação Física Pode e Deve Ser um Empreendedor

Crise na Educação Física: o empreendedorismo

Empreendedorismo é muito mais que abrir uma empresa e ter um CNPJ. Você pode e deve ser um empreendedor mesmo num cargo corporativo. Sua carreira, seja você empresário ou colaborador deve ser vista como um empreendimento, um projeto em que você vai construindo. Cada etapa deve ser respeitada, colocando o que precisa e na hora devida.

Se você busca soluções que otimizem recursos da empresa, que faça o cliente ter uma experiência melhor ou diferenciada e está sempre antenado com as novidades do mercado, parabéns você já é um empreendedor. Agora eu te pergunto: Você já olhou para sua carreira sob essa perspectiva? O que você tem feito para a crise na educação física não te afetar? Como você se destaca neste mercado?

Claro que com o histórico do nosso país, infelizmente faz muito sentido. Porém, acredito de verdade que muitas oportunidades de empregos com mais qualidade de vida e propósito seriam criadas a partir de novas empresas com novas perspectivas sob o mundo do trabalho.

Na verdade, poucas faculdades tentam tratar estes assuntos nos cursos de Educação Física. Porém, ainda é feito de forma superficial e pouco aplicável no seu dia a dia.

Não é errado escolher ser um professor e dar aulas, muito pelo contrário, se você é feliz assim, maravilha. Mas será que esse caminho é para todo mundo? O que não nos foi dado e nem ensinado é sabermos que temos escolha, há os dois caminhos e não um apenas!

Quando algum colega empreende e abre uma academia por exemplo, vai na tentativa e erro. Infelizmente a maioria quebra por não saber gerir um negócio. Dados do IBGE mostram números muito preocupantes: De cada dez empresas, seis não sobrevivem após cinco anos de atividade. Segundo uma pesquisa feita pelo Ibmec e Sebrae São Paulo, os principais motivos para esse altíssimo número são os seguintes:

Conhecimento

A existência de grandes empresas concorrentes no mercado do empreendedor aparentemente reduz, em vez de aumentar, o risco de fechamento. É possível que as pequenas empresas que tenham grandes concorrentes sejam obrigadas a adotar práticas de gestão mais eficazes ou que elas aproveitem brechas no mercado que não são atendidas ou são ignoradas por companhias maiores.

Essa explicação ficou demonstrada com a constatação de um relacionamento positivo entre concorrentes. Eles trocam informações entre si e recebem indicações feitas pelas grandes empresas.

Planejamento

A probabilidade de fechamento de uma empresa cujo proprietário gastou até cinco meses planejando o negócio é maior do que daquele que gastou um ano ou mais nesse planejamento.

Esse resultado indica que, mesmo que o empreendedor não tenha experiência no ramo, ele pode compensá-la capacitando-se antes de abrir o negócio. Buscar informações e novos conhecimentos podem ser úteis na antecipação de problemas e na inclusão no mercado.

E para contradizer o senso comum, é que mais anos de planejamento não aumentam as chances de sobrevivência do negócio.

Podemos justificar isso com a revelação de que planejamento é necessário, mas planejamento demais pode ‘engessar’ o negócio e deixá-lo refratário às mudanças ambientais necessárias que se apresentem.

Atitude

Do conjunto de práticas gerenciais adotadas pelos empreendedores, o aproveitamento de oportunidades, a antecipação de acontecimentos, a preparação para enfrentar os problemas antes que eles aconteçam.

A busca intensa por informações auxilia na tomada de decisões e no cumprimento persistente dos objetivos. Estas demonstraram ser significativamente relevantes nas chances de sobrevivência, sobretudo a capacidade de se adequar ao mercado rapidamente. Ter metas claras e uma metodologia a seguir pode influenciar muito o sucesso ou fracasso do seu negócio.

Caso seu desejo é ter um negócio próprio busque conhecimentos que agreguem para ter sucesso. Muitas pessoas acabam buscando esse tipo de conhecimento e ao mesmo tempo um conhecimento técnico da área. Sempre buscando esses três passos fundamentais, a crise na educação física não te atingirá o seu estúdio/empresa.

Alguns Profissionais da Educação Física me perguntam qual as próximas especializações devem fazer. Sempre respondo que deve ser de acordo com o que você deseja para sua vida.

Se for aperfeiçoar sua aula, faça uma especialização na modalidade que você ministra. Se for abrir um negócio, não faz sentido fazer alguma pós-graduação de mais um ano e meio em Educação Física Escolar, por exemplo. Se você já atua numa área específica e já tem cursos de especialização, para que outro?

Especializar-se É Fundamental Para Vencer a Crise na Educação Física

Crise na Educação Física: se especializar é a melhor maneira

Uma coisa muito importante é que ninguém é bom em tudo. Ser generalista no durante o estágio e início da carreira tudo bem, apoio 100% e sempre recomendei aos meus estagiários, até porque nesse momento você deve conhecer todas as possibilidades de atuação, sentir o que mais gosta e se identifica para aprofundar os estudos. Entretanto, ser generalista para a vida toda vai te custar o preço de não ser uma referência no mercado e talvez até fazer parte desta crise na educação física.

Você já viu algum professor generalista dar entrevistas, palestrar ou ministrar cursos? Com certeza não! E é exatamente por isso que você não pode pegar todas as oportunidades que aparecem pela frente. Aí você diz: Mas, Viviane, a situação não está fácil para ninguém, como eu vou desperdiçar trabalho? Eu sei disso, e você não precisa cortar tudo de uma vez.

Tenha claro que os Profissionais de Educação Física que se especializam em determinado nicho de mercado e selecionam os seus trabalhos são os que obtém resultados mais significativos e duradouros. São requisitados mais do que oferecem seus serviços, entende? São mais convidados e indicados também. Pense nisso!

Se você continua lendo até aqui é porque deve estar concordando ou curioso para saber até onde vou, certo? Então vou além: Para se destacar é preciso escolher uma área pela qual tenha paixão e focar cada vez mais os seus esforços e estudos nela.

Para você entender melhor, eu vou contar uma história pessoal.

Em 2012 eu morava num bairro da zona norte do Rio de Janeiro. Um belo dia, eu acordei sentindo uma coceira muito forte no ouvido, passei o dia assim e ao cair da noite ficou insuportável, com muita dor e quase não podia nem tocar na minha orelha. Fui no catálogo do plano de saúde e liguei para alguns hospitais com emergência 24h, mas nenhum próximo a minha casa tinha otorrino na emergência.

Havia apenas um hospital na zona sul da cidade que tinha emergência 24h de otorrino. Onde você acha que eu fui? Mesmo sem carro eu fui para a zona sul de ônibus – demorei mais de uma hora para chegar ao local.  Tive uma simples otite, mas nunca havia sentido aquilo então não fazia ideia do que podia ser. Fui para um especialista sem titubear. E a mesma coisa acontece em todas as profissões. Por que seria diferente com a Educação Física?

Voltando ao assunto, eu te pergunto: você já se questionou por qual motivo esta crise na educação física afeta tantos profissionais? Já se pergunto o porquê que uma empresa/pessoa deveria contratar a mim e não a outro Profissional da Educação Física?

Quais os seus diferencias? E não venha me dizer que é o atendimento, que você não se atrasa, é simpático e etc. Isso é O MÍNIMO, por favor, desfaça esse pensamento AGORA!

Pense em quais transformações você ajuda o seu cliente a alcançar, de que forma pode fazer isso sem ser copiado. Assim que tiver essas respostas divulgue-se, mostre o seu talento ao mundo!

Conclusão

Vencendo a Crise na Educação Física

Existe um ponto muito importante que a maior parte dos professores esqueceram de ensinar. A crise na Educação Física é notória. E essa crise não tem nada a ver com a crise financeira, mas uma crise mais profunda que vem crescendo desde muito antes.

Sem as lições que comentei neste artigo, muitos Profissionais da Educação Física não sabem como vender os seus serviços e, muitas vezes, acabam fazendo de tudo pelo menor preço possível para ganhar alguns serviços. Para sobreviver a isso, o concorrente vai pelo mesmo caminho. Este cenário acaba se transformando em uma grande bola de neve que desvaloriza cada vez mais o trabalho do profissional e consequentemente causando a crise na Educação Física.

Afinal, por que o cliente vai te contratar se perto da casa dele tem um cara que faz o “mesmo trabalho” por menos da metade do preço? E as faculdades de Educação Física se esquecem de ensinar como você deve superar esse problema. Por isso, listei algumas das principais estratégias para você sair desse círculo vicioso que só diminui a nossa profissão:

  • Não entre nessa corrida de ratos. Isso desvaloriza seu trabalho.
  • Escreva artigos para se tornar uma autoridade numa área específica.
  • Publique vídeos e se relacione com o público na internet.
  • Tenha um nicho de mercado para se destacar e fale disso o tempo todo.
  • Seja consistente.
  • Ensine tudo sobre Educação Física para os seus clientes.
  • Se ele quer apenas preço, não é seu o cliente ideal ou ele não viu o seu diferencial.

Com essas dicas, você está se preparando para enfrentar o mercado e aplicar tudo sobre Educação Física que aprendeu na faculdade. E foi com essa ideia que criei o programa Educador Físico de Sucesso. Eu quero te ensinar toda a parte de empreendedorismo que a sua faculdade deixou para segundo plano.

Quer dar o primeiro passo? Compartilhe este post com o máximo de profissionais da Educação Física possível – a informação é o começo de tudo. Até o próximo artigo!

Written by Viviane Feijó

Viviane Feijó

- Formada em Educação Física pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro / bacharelado e licenciatura (2006)
- Pós graduada em Administração e Marketing Esportivo UGF (2008)
- MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV (2011)
- Criadora do Blog Educação Física Digital - Ajuda Profissionais de Educação Física a criarem ou alavancarem seus Negócios na Educação Física.
- Ministra o Treinamento PEF Digital
- Gestora de Esporte e Recreação no SESC RJ. (2006)

1 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *